30 novembro 2018

Deus sobre tudo

Tu que tudo conquistará
Não há conforto em nada
além da satisfação em Ti
e estando comprometido em Teu serviço;
Tu és tudo em todos, e todos os prazeres é o que tens para mim
Tu os criastes, e não o fazes mais.
Eu estou satisfeito com a Tua vontade, seja qual for
ou em todas as situações,
E se me pedires que decida por mim mesmo em qualquer caso,
Eu escolheria encaminhar tudo para Ti
pois Tu és infinitamente sábio e é incapaz de errar
no entanto, eu corro o perigo de falhar.
Eu me alegro em pensar que todas as coisas estão à Tua disposição,
e me deleito em deixá-las Contigo.
Então a oração se transforma em louvor,
e tudo que posso fazer é adorar e Te bendizer.
O que darei por todos os Teus benefícios?
Eu estou indeciso entre dois fatos, não sabendo o que fazer;
Eu anseio retornar-Te algo, mas não tenho nada a oferecer,
e só posso me alegrar, pois Tu fazes tudo,
porque ninguém no céu ou na terra compartilha da Tua honra;
Eu nada posso fazer de mim mesmo para glorificar o Teu bendito nome,
mas eu posso, alegremente, através da graça, entregar alma e corpo para Ti,
Eu sei que Tu és o autor e consumador da fé,
que toda a obra da redenção é Tua somente,
que toda boa obra ou pensamento encontrado em mim
é o efeito do Teu poder e graça,
que o Teu único motivo em operar em mim, tanto o querer como o realizar
é para o Teu beneplácito.
Ó Deus, é maravilhoso que os homens possam falar tanto
sobre o poder e a bondade criada no homem,
no entanto, se Tu não nos detivesse a cada momento,
seríamos como demônios encarnados.
Isso, por amarga experiência, Tu me ensinaste a respeito de mim mesmo.

29 novembro 2018

A Trindade

Três em Um, Um em Três, Deus da minha salvação
Pai Celeste, Filho Abençoado, Espírito Eterno
Eu Te adoro como um Ser, uma Essência,
um Deus em três Pessoas distintas,
por trazer pecadores ao teu conhecimento e ao teu reino.
Pai, Tu me amaste e enviaste Jesus para me redimir;
Ó Jesus, Tu me amaste e assumiu minha natureza
derramou Teu próprio sangue para lavar os meus pecados,
justiça forjada para cobrir a minha indignidade;
Ó Espírito Santo, Tu me amaste e entrou no meu coração
implantando nele a vida eterna,
e revelou-me as glórias de Jesus.
Três Pessoas e um Deus, eu Te bendigo e Te louvo
por amor tão imerecido, tão indescritível, tão maravilhoso,
tão poderoso para salvar os perdidos e elevá-los à glória.
Ó Pai, eu Te agradeço que na plenitude da graça
Tu me deste a Jesus
ser Tua ovelha, joia, porção;
Ó Jesus, eu Te agradeço que na plenitude da graça
Tu me aceitaste, desposaste, vinculaste;
Ó Espírito Santo, eu Te agradeço que em plenitude da graça
Tu expuseste Jesus como a minha salvação
implantou fé dentro de mim
subjugou o meu obstinado coração,
me fez um com Ele para sempre.
Ó Pai, Tu estás entronizado para ouvir minhas orações,
Ó Jesus, a Tua mão está estendida para receber minhas petições,
Ó Espírito Santo, Tu estás disposto a auxiliar-me em minhas fraquezas,
para mostrar-me a minha necessidade, para fornecer palavras, e orar dentro de mim,
para fortalecer-me a fim de que eu não desmaie em súplica.
Ó Deus Triúno, que comanda o universo,
Tu me mandaste pedir essas coisas
que dizem respeito ao teu reino e minha alma.
Deixe-me viver e orar como alguém batizado no tríplice nome.

28 novembro 2018

O Vale da Visão do Senhor

Alto e Santo, Manso e Simples
Trouxe-me para o vale da visão,
onde moro nas profundezas, mas Te vejo nas alturas;
cercado por montanhas de pecado, vejo a Tua glória.
Deixe-me aprender pelo paradoxo
que o caminho que abate é o caminho que exalta
que inclinar-se é ser enaltecido,
que o coração quebrantado é o coração curado,
que o espírito contrito é o espírito de alegria,
que a alma arrependida é a alma vitoriosa,
que não ter nada é possuir tudo,
que levar a cruz é usar a coroa,
que dar é receber,
que o vale é o lugar da visão.
Senhor, as estrelas diurnas podem ser vistas nos mais intensos abismos,
e quanto mais profundos eles são, maior é o brilho das Tuas estrelas;
Deixe-me encontrar a Tua luz na minha escuridão
a Tua vida na minha morte
a Tua alegria na minha tristeza
a Tua graça no meu pecado
as Tuas riquezas na minha pobreza
a Tua glória no meu vale.

O Vale da Visão: Uma coleção de orações e devocionais puritanas

O Vale da Visão:
Uma coleção de orações e devocionais puritanas

Editado por Arthur Bennett

O fardo do vale da visão (Isaías 22.1)

THE BANNER OF TRUTH TRUST
Edimburgo
1975



CONTEÚDO

Prefácio
Introdução: A Visão do Vale
1. Pai, Filho e Espírito Santo
A Trindade
Cristo é tudo
Deus é tudo
Plenitude em Cristo
Deus a fonte de todo bem
União com Cristo
O grande Deus
O nome de Jesus
O Todo-bondoso
Somente Cristo
O Causador
Jesus minha glória
A vontade divina
O amor de Jesus
Misericórdias divinas
Amor a Jesus
Deus apreciado
A segunda vinda
Uma presente salvação
Spiritus Sanctus
Principal fim do homem
Deus o Espírito
Honrado Deus
O Espírito de Jesus
Adoração e gratidão
A obra do Espírito
O dom dos dons
O Espírito como mestre
Cristo a Palavra
2. Redenção e reconciliação
O caminho do evangelho
O precioso sangue
O pecador despertado
Amor ilustrado no Calvário
O Espírito convencedor
O Salvador
O clamor de um pecador convencido
Reconciliação
Deus e eu
Libertação
O Mediador
Regeneração
Ressurreição
Vivendo para Jesus
Eleição
Preservado por Deus
Chamado cristão
Uma oração do cristão
Certeza
Graça sublime
A primeira oração do convertido
A grande descoberta
A vida vista
A devoção do neófito
Vitória
Os “nunca” do evangelho
Libertação
Verdadeira religião
Pertencendo à Jesus
3. Arrependimento e desaprovação
Autoconhecimento
O coração quebrantado
Ainda eu peco
Nada em si mesmo
O tenebroso convidado
Deficiências
Paradoxos
Retrocesso
Corações corruptos
Pecados
Autodesaprovação
Orgulho
As profundezas
Paixão
Contínuo arrependimento
Penitência
Confissão e petição
O homem um nada
Contrição
Um clamor por livramento
Humilhação
Misericórdia
Mortificação
Crucificação e ressurreição
Purificação
Novo começo
Reprovações
Confiança
4. Necessidades e devoções
Necessidade da graça
Escolhas
Conflito
Desejos
Perigo
Fé e o mundo
Necessidade de Jesus
Viajando
Fraquezas
Crescimento espiritual
O Infinito e o finito
Jornada
Fim de ano
Manhã
Novo ano
Necessidades matinais
A família
Dedicação matinal
Cuidadoso amor
Oração noturna
Suporte divino
Adoração noturna
Ativa graça
Renovo noturno
5. Santas aspirações
Saudades depois de Deus
Franqueza
Consagração e Adoração
Semelhança de Cristo
Descansando em Deus
Amor cristão
Devoção
Amor derramado
O toque pessoal
Apto para Deus
Promessas divinas
Confiança
Auxílios espirituais
Pacto
Refúgio
6. Recorrendo à Deus
Ato de recorrer
O trono
Em oração
Solicitações
Vivendo pela oração
Após a oração
Encontro com Deus
Um colóquio sobre a alegria
A oração do amor
7. Dons da graça
Deus Todo-suficiente
Conforto
Privilégios
Plenitude
Bençãos
Felicidade

Vocação
Amor
Confiança em Jesus
Alegria
Graça nos julgamentos
Contentamento
A graça da cruz
Repouso
O hino do Calvário
Sono
Sinceridade
8. Culto e ministério
A causa de Deus
Louvor de um ministro
Culto e capacitação
A Bíblia do ministro
Coisas necessárias
A pregação do ministro
Humildade no culto
Convicções bíblicas
O servo em batalha
Véspera do Dia do Senhor
Culto vão
O Dia do Senhor
Amoroso descanso em Deus
A manhã do Dia do Senhor
O renovo do discípulo
Adoração
Os males do ministro
A Ceia do Senhor
Uma oração do ministro
O ministro diante do Sacramento
Uma confissão do ministro
Noite do Dia do Senhor
A força do ministro
O pacto do ministro
9. Despedida
Terra e céu
Retrospectiva e prospectiva
Desejo celestial
10. Uma semana compartilhando orações
Manhã do primeiro dia - Adoração
Noite do primeiro dia – O Mestre
Manhã do segundo dia – Deus sobre todos
Noite do segundo dia - Recompensa
Manhã do terceiro dia – Deus criador e controlador
Noite do terceiro dia – Antes de dormir
Manhã do quarto dia – Verdadeiro Cristianismo
Noite do quarto dia – Deus Todo-suficiente
Manhã do quinto dia – O Doador
Noite do quinto dia - Proteção
Manhã do sexto dia – O evangelho
Noite do sexto dia - O Mediador
Manhã do sétimo dia – O beneplácito de Deus
Noite do sétimo dia – Bençãos futuras



NOTA

A força do caráter e da vida puritana estava na oração e na meditação. Nesta prática, o espírito de oração era considerado de primeira importância e a melhor forma de oração, pois a oração viva é a característica da genuína espiritualidade. No entanto, a oração também é espontaneamente verbalizada e pode, por vezes, ser escrita. Consequentemente, na tradição puritana, existem muitas orações e meditações escritas que constituem um corpus importante de inspiradora literatura devocional.
Muitas vezes, a oração ex tempore carece de variedade, ordem e definição. A razão para isso está em parte em negligenciar a devida preparação. É aqui que o cuidado e o rigor das Escrituras, que os outros acham necessário em se referirem a Deus, podem ajudar. Este livro foi preparado não para "fornecer" orações, mas para estimular e encorajar o cristão enquanto ele trilha o caminho em que os outros já passaram.

O autor foi um cônego da Catedral de St. Albans, e durante uma temporada também reitor de Little Munden e Sacombe, Hertfordshire, e foi durante dezessete anos um orientador em Teologia Bíblica e Doutrina Cristã no All Nations Christian College. Ele morreu em outubro de 1994 aos 79 anos.


Aos meus colegas e alunos
do All Nations Christian College, Ware,
pelos dez anos de comunhão em Cristo



PREFÁCIO

As orações neste livro são extraídas de um amplo esquecida coletânea de exercícios espirituais, meditações e aspirações dos puritanos. Eles testificam a riqueza e a diversidade do pensamento e linguagem evangélica que motivaram a piedade vital num importante fluxo da vida religiosa inglesa. Espera-se que a sua publicação ajude a corrigir a negligência deste vasto oceano de espiritualidade puritana.

O movimento Puritano foi um fenômeno religioso dos séculos XVI e XVII, mas a sua influência continuou pelo menos até ao período de Charles Haddon Spurgeon (1834-92), que pode ser considerado o último dos grandes puritanos. Embora a tempestade política tenha terminado em 1660, o seu fluxo teológico levou adiante formas distintas de religião prática por muitas décadas, particularmente o culto familiar e a devoção particular. Nessas esferas, e naquelas da autoridade das Escrituras ao longo de toda a vida, os presbiterianos e congregacionais da Nova Inglaterra estavam unidos aos Dissidentes Ingleses e aos Anglicanos Evangélicos num estreito vínculo que transcendia as diferenças de culto, disciplina e sistema de governo. Eles falavam a mesma linguagem espiritual, compartilhavam o mesmo código de valores, adotavam a mesma atitude em relação à religião cristã e exalavam as mesmas aspirações centradas em Deus de uma maneira que torna impossível distinguir a voz de um conformista de um não-conformista. Assim, este livro de orações puritanas tem uma unidade que não é encontrada frequentemente em obras similares. A força do caráter e da vida puritana estava na prática da oração e da meditação. Muitos dos que possuíam as doutrinas da graça escreveram um relato das relações íntimas de Deus com suas almas, não visando a publicação, mas, como no caso de David Brainerd, para testar o seu crescimento espiritual, e para encorajarem-se em sua releitura em tempos de declínio no fervor espiritual. Outros, como William Jay e Henry Law, transformaram as suas devoções pessoais em formas corporativas para o culto familiar e as publicaram na igreja para o uso em geral. Outros, como Philip Doddridge e William Romaine, escreveram orações em suas obras literárias para evocar a resposta espiritual do leitor. Muitos ministros foram além e aconselharam as suas congregações a colocarem os seus pensamentos de orações particulares no papel e a vocalizá-las. Surgiu assim um importante corpus de inspiradoras orações puritanas que ainda são amplamente utilizadas.

Ao extrair essa seleção da literatura puritana foi necessário mudar algumas orações do plural e da terceira pessoa para o singular e primeira pessoa, a fim de que o livro pudesse ser usado principalmente na devoção privada. Mas, se fizer uma mudança de pronome, a maioria delas podem ser usadas no culto congregacional. Uma seção final foi adicionada para ocasiões de culto corporativo. O estilo de linguagem antigo foi preservado, mas foi necessário reformular algumas frases para acomodar o pensamento arcaico ao entendimento moderno. Várias orações foram originalmente experiências espirituais, como no caso de Thomas Shepard, e outras são convergências de diferentes fontes para unir um determinado tema.

Uma forma poética foi adotada como uma ajuda para facilitar a compreensão e expressão. Cada oração consiste num número de cláusulas principais com cláusulas subsidiárias que iluminam e ampliam o assunto. Desta forma, fornece-se a oportunidade para pausas e reflexões. O editor é, portanto, responsável pela estrutura das orações, como está impresso. O livro não se destina a ser lido como um manual de oração. A alma aprende a orar, orando. A oração é comunhão com um Deus transcendente e imanente que, com base em sua natureza e atributos, suscita todos os poderes da alma redimida em atos de total adoração e dedicação. As orações devem, portanto, ser usadas como unidades de aspiração, as várias partes das quais poderiam se tornar o ponto de partida para os assuntos de oração do indivíduo. Essas orações e suas divisões também podem servir a propósitos homiléticos.

As orações foram retiradas das obras de Thomas Shepard, Thomas Watson, Richard Baxter, John Bunyan, Isaac Watts, William Williams, Philip Doddridge, William Romaine, David Brainerd, Augusto Toplady, Natal Evans, William Jay, Henry Law e Charles Haddon Spurgeon . Eles são recomendados com a oração de Philip Doddridge, que, “por mais fraca e desprezível que esta obra possa parecer aos olhos dos filhos deste mundo, e por mais imperfeita que seja, pode, no entanto, viver diante de ti, e que através de um divino poder possa produzir a edificação e progresso da religião cristã.”

Desejo agradecer ao Rev. Iain H. Murray, do Banner of Truth Trust, por seu encorajamento em produzir este trabalho, o sr. S.M. Houghton, cujas boas críticas foram aceitas, e o Rev. R.E. Davies, que ajudou a resolver alguns pontos teológicos. Agradeço aos curadores do British Museum, da Dr Williams' Library e da Evangelical Library pelo acesso a livros que estão esgotados.

ARTHUR BENNETT


P.S.* Este é o início da tradução do livro. A minha intenção é de traduzir todo o livro e disponibilizá-lo.