19 maio 2007

Maldições hereditárias ou pecado pessoal?

Há alguns anos o meio evangélico têm se contaminado com uma perniciosa doutrina. Este ensino diz que: "apesar de você ter Jesus como o seu Salvador, e ser salvo, é possível que existam maldições hereditárias, ou seja, maldições por causa dos pecados de algum antepassado que não tenham sido perdoados, e que conseqüentemente, ainda recaem sobre a sua vida". Então, com esta doutrina se conclui que "por isso, você não é abençoado, não prosperá, e por causa disso você tem doenças e males que não consegue se livrar, apesar de ser salvo". Usam como base bíblica, geralmente, a passagem em que Deus declara que "visito a iniqüidade dos pais nos filhos até à terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem" (Êx 20:5). A Bíblia mal interpretada é a mãe das heresias! Esta ameaça pronunciada por Deus se refere aos que não eram salvos, e permaneciam na idolatria, desprezando ao único Deus vivo e verdadeiro. O Senhor não está declarando que apesar de convertidos Ele ainda assim persistirá em amaldiçoar por causa dos pecados dos pais! A maldição é para aqueles que aborrecem ao Senhor, e não sobre os que o amam; porque sobre os que amam o Senhor, a misericórdia perdurará até mil gerações! (Keil & Delitzsch, Biblical Commentary on the Old Testament, pp. 117-118).

É verdade que alguns textos nas Escrituras declaram que o pecado dos pais têm influência sobre a vida dos seus filhos (Lv 26:39; Is 55:7; Jr 16:11; Dn 9:16; Am 7:17). Mas, isto deve ser bem entendido, pois não é uma referência à maldição hereditária, mas à persistência dos filhos de não abandonar os pecados dos pais. Sendo fiéis ao contexto histórico de toda a narrativa, perceberemos que estas passagens são exortações ao arrependimento, porque a punição era por pecados que tiveram origem nos pais, ou antepassados mais remotos, mas eram pecados ainda perpetuados e praticados por eles mesmos. Nisto percebemos que o cultivo duma cultura familiar corrompida por vícios, idolatria e imoralidades, pecados que são cometidos em família, ensinados pelos pais aos filhos trará a ausência das bençãos pactuais de Deus, mas, cada um será responsável por si, e enquanto não houver verdadeiro arrependimento não haverá transformação.

Desde o Antigo Testamento esta idéia se fazia presente no meio do povo de Israel. O profeta Ezequiel denuncia o pecado do povo por acreditar "que tendes vós, vós que, acerca da terra de Israel, proferis este provérbio, dizendo: os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos é que se embotaram?" (Ez 18:2). Entretanto, após a repreensão segue a intrução do Senhor dizendo: "tão certo como eu vivo, diz o SENHOR Deus, jamais direis este provérbio em Israel. Eis que todas as almas são minhas; como a alma do pai, também a alma do filho é minha; a alma que pecar, essa morrerá (Ez 18:3-4). A argumentação do profeta continua em todo o contexto posterior, deixando bem claro que cada um é responsável pelos seus próprios pecados, e não será o filho punido por causa do pai, nem o pai por causa do filho (versos 5-22).

Os discípulos de Cristo necessitaram ser corrigidos deste erro. Numa certa ocasião encontraram um jovem cego de nascença, e questionaram: "mestre, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego?" (Jo 9:2). A redundante resposta de Jesus fechou o assunto, ao dizer que: "nem ele pecou, nem os seus pais; mas foi para que se manifestem nele as obras de Deus" (vs. 3). Os males físicos e temporais são instrumentos da providência de Deus, para que a Sua glória se manifeste no meio do Seu povo escolhido, e assim, a Sua vontade se torne conhecida (Jo:9:35-39; Rm 8:28).

Quando os verdadeiros crentes caem em pecado, mesmo pecados graves e escandalosos, eles não são abandonados por Deus. Deus nunca desiste deles (Rm 8:31-39). Como um Pai restaura os seus filhos, os disciplina “porque o Senhor corrige a quem ama e açoita a todo filho a quem recebe. É para disciplina que perseverais (Deus vos trata como filhos); pois que filho há que o pai não corrige? Mas, se estais sem correção, de que todos se têm tornado participantes, logo, sois bastardos e não filhos”(Hb 12:6, ARA). O apóstolo Paulo afirma esta mesma verdade dizendo que “quando, porém, somos julgados pelo Senhor, estamos sendo disciplinados para que não sejamos condenados com o mundo” (1 Co 11:32). É possível cair em pecado, mas é impossível cair da graça de Deus. O teólogo inglês J.I. Packer declara que "às vezes, os regenerados apostatam e caem em grave pecado. Mas nisto eles agem fora de seu caráter, violentam sua própria nova natureza e fazem-se profundamente miseráveis, até que finalmente buscam e encontram sua restauração à vida de retidão. Ao rever sua falta, ela lhes parece ter sido loucura."[Teologia Concisa, p. 224]. O pecado é corrigido individualmente.

Como individualmente pecamos, também somos chamados ao arrependimento! Não posso me arrepender por outra pessoa; entretanto, devo interceder por ela, se ela estiver viva. Não é possível pedir perdão pelos pecados dos meus filhos, nem irmãos, pais, avós ou qualquer outro antepassado. Pecado é confessado, e somente é perdoado pessoalmente. A Bíblia diz que as bençãos da Aliança acompanharão os nossos filhos, pois eles são filhos da promessa. Se você é filho de Deus, você é co-herdeiro com Cristo Jesus do amor de Deus (Rm 8:16-17), e esta é uma promessa para os seus filhos (At 2:39). Mas a Palavra de Deus não ensina que os nossos pecados serão cobrados dos nossos descendentes. Deus haveria de puní-los por uma irresponsabilidade nossa? A doutrina da maldição hereditária nega tanto a suficiência de Cristo, em perdoar graciosamente os nossos pecados, como a fidelidade de Deus em cumprir as Suas promessas.

Recomendo para uma leitura posterior:
1. David Powlison, Confrontos de Poder (Editora Cultura Cristã).
2. Augustus Nicodemus Lopes, Batalha Espiritual (Editora Cultura Cristã).

9 comentários:

ray disse...

Muito bom, esse artigo, apesar de eu não ter nenhuma dúvida sobre o assunto hoje, porém já teve algumas no passado. O artigo é bem claro e com certeza quem tem alguma dúvida sobre esse assunto, ao lê-lo deverá tirar todas.

Ewerton B. Tokashiki disse...

oi Ray

Fico muito feliz de você não ter problemas com este assunto. Mas aqui em Porto Velho o movimento "Batalha Espiritual" ainda é forte e a doutrina da Maldição hereditária é amplamente disseminada em muitas igrejas pentecostais por aqui.

Abraços

Sra. Eva disse...

Este artigo me esclareceu muito. Sinceramente tem horas q a gente tem dúvidas. É como alguns afirmam, as vezes as mentiras são tão repetidas que acabamos acreditando nelas.

renatovargens disse...

Excelente texto. Com certeza retornarei mais vezes ao seu blog.

abraços,

Renato Vargens
www.renatovargens.blogspot.com

rhemidos disse...

Nunca tive dúvidas sobre o assunto embora saiba dos estragos que faz nos que crêem.
Que Deus use este texto para esclarecer a muitos.
Deus abençoe ao sr. e familia
Abraço
Gaspar,rev

lamb of God disse...

Irmão, parabéns pelo artigo. Não consigo entender como podem muitos de nós, se apartar da simplicidade que há em Cristo, deixando-se levar por ventos de doutrina e que em nada edificam o Corpo de Cristo, pelo contrário, complicam a vida dos fiéis.

Isso tudo acontece por falta de sabedoria em buscar o conhecimento da Palavra de Deus, pois quem a busca, dificilmente, deixará se levar por falsos discursos.

Que a paz e graça do Senhor seja sobre ti.

SAC NETWAY.COM disse...

Nao vivo por doutrinas humanas e hereticas creio na Torah na biblia e tenho YESHUA na minha vida., porem vivo um grande dilema.tenho 32 anos e desde dos 14 meu pai sempre disse que eu nunca ia me dar bem na vida.( a li´ngua é fogo,contamina, seu corpo e quem está ao seu redor.prov.)hoje tenho muita dificuldade na minha vida profissional e financeira.Pra voce ter uma ídeia, nao consigo nem um estagio para meu curso, quanto mais um emprego, além disso todos os projetos que desenvolvo na minha vida profissional, nao dá certo, tudo dá errado.
Então,buscando respostas na biblia, ví que sofro em razão dessas palavras terem sido lançadas em minha vida.

o que o pastor tem a me dizer sobre esse assunto.

Ewerton B. Tokashiki disse...

Caro SAC - anônimo

Primeiro, em geral não respondo anônimos, mas farei uma excessão para o seu caso.

Pelo seu discurso de apresentação/crença você parece ser um evangélico brasileiro que deseja ser judaizante. No temor do Senhor, permita-me aconselhar-te em algumas coisas: 1. Abandone este negócio de "só sigo a Torá", hoje temos a Bíblia completa e a revelação progressivamente se completou fechando em Apocalipse, que a revelação de Jesus. 2. Não fique chamando o Senhor Jesus de Yeshua, porque você não fala hebraico, e esta é uma transliteração errônea do nome em hebraico para o portuguê. E se você reconhece o Novo Testamento como inspirada Palavra de Deus, observe que os discipulos de Cristo num tiveram crise em escrever o nome dEle em grego [translilerado: Iesus], sendo eles judeus. Então o seu discurso inicial sobre rejeitar heresia e doutrinas humanas, embora no enunciado esteja correto, na prático você está errando.

Mas, passando ao que você me pediu. 1. O que o seu pai te disse não tem nenhum "poder espiritual" sobre você. No máximo, podemos reconhecer que isto causou um trauma psicológico; e, isto pode ser resolvido com aconselhamento pastoral, oração e estudo sério da Bíblia. 2. Você tem que considerar que é possível que você precise ser transformado, ou seja, santificado em alguma área de sua vida que esteja te prejudicando. 3. Você está procurando emprego para algo que você é capaz de fazer no lugar certo? 4. O seu curriculum é real e corresponde à necessidade da empresa a que você se oferece? Veja estas questões não tem nada ver com maldição, mas apenas com preparo e discernimento quanto em que você deseja trabalhar.

Não sei no que você é formado, mas permita-me dar uma informação. Aqui em Porto Velho por causa das empreiteiras que vieram construir as unisas hidrelétricas e outras empresas em decorrência disto há muito emprego na cidade, prá todo tipo de trabalho e função. Fica a sugestão.

Deus o abençoe.
Pr Ewerton

SAC NETWAY.COM disse...

é admiravel vc como pastor desconsiderar versiculos que mencionem acerca das palavras de maldição e dizer que é um fator psicologico e emocional e atribuir meu fracasso a meu curriculum e perfil profissional sem conhece-lo.

acho que vc precisa estudar mais a biblia e recomendar a verdade dando "aconselhamentos espirituais"que ela mostra e nao me dizer que estou sofrendo de traumas psicologicos.

Outra.. sou judeu. creio em jesus, como o ungido meu salvador.

quem vive praticas judaizantes sao vcs gentios, quando usam a lei para arrancar dizimos,ofertas e fundar doutrinas vãs e oferecer riquezas e prosperidade usando o novo testamento pegando versiculos que convem quando usa-las.

Lembro vc caro pastor que jesus nao veio revogar a lei(torah) e sim cumpri-la. Ele nasceu como judeu foi apresentado e circuncidado no templo, celebrou a pascoa , e etc... e morreu como judeu .entao nao me venha com esse papo de cristao catolico.

Se vc conhece bem a biblia como revelação que vc menciona deveria nao desconsiderar versiculos que tratam a repesito das palavras de maldição pois a biblia tem um inicio e um fim.pelo que sei começa em genesis e termina em apocalispe.

Agora claro nao posso desconsiderar que vc vive as leis noeticas. entao vc deveria nao se apegar a elas , nao acha?

Nao vou citar aqui os versiculos porque seria vergonhoso pra vc como pastor nao conhece-las, prefiro acreditar que vc saiba e possa comentar sobre elas.




já que abriste uma exceção para um anonimo,discorra sobre os versiculos solicitados sem fujir deles me dando respostas superficiais e sem fundamentos biblicos.Pois jesus em nenhum momento mandou a mulher que sofria de fluxo sanguineo procurar um medico para se curar porque nao passava de uma doença cronica, ou congenita e que precisaria de um especialista.