20 julho 2006

Os cristãos e a raiva

Esta meditação ajudou-me muito a refletir acerca do modo como devo cuidar dos meus sentimentos. Desejo compartilhar com vocês esta reflexão do Rev. Arthur J. Schoonveld. Meu desejo é que o Senhor vos abençoe do mesmo modo, ou mais, do que me edificou. Boa leitura!

"Se você ficar com raiva, não deixe que isso o faça pecar e não fique com raiva o dia todo (Efésios 4:25-32). A Bíblia nos ensina que há dois tipos de ira: a justa e a pecaminosa. A ira é justa quando o cristão fica bravo e indignado com o pecado. Ele abomina o pecado. Muitas vezes, porém, a ira é pecado. Daí a recomendação de Paulo para que nossa ira não se torne pecado por guardá-la em nossos corações . Noutra versão bíblica a expressão é enfática: "Não deixem que o sol se ponha com vocês ainda irados." Mesmo os crentes sinceros vivem constantemente irados, às vezes, por coisas banais, como um pneu furado, um líquido derramado, um objeto desaparecido. Aí acende-se o estopim e estraga-se um passeio, uma refeição ou uma atividade social. Mesmo lutando contra a ira, muitos crentes se irritam facilmente. Vem a explosão, o descontrole, em geral perto de pessoas que não querem magoar, erguendo-se, assim, um muro que os divide e separa. A ira pecaminosa ergue também um muro entre nós e Deus. É uma ira destrutiva. Às vezes, essa raiva excessiva pode vir de problemas químicos ou fisiológicos. Daí, precisamos de ajuda médica. Mas mesmo assim, sempre devemos também contar com a ajuda do Espírito Santo, que frutifica em nós a mansidão, a bondade e o domínio próprio."

Pense:A ira envenena nosso espírito, adoece nosso corpo e causa muito mal às pessoas ao nosso redor.

Extraído da meditação do CADA DIA (LPC) do dia 18/07/2006

Um comentário:

Anônimo disse...

ler todo o blog, muito bom