02 julho 2006

O pecado no lar

O pecado sempre é algo desastroso, mas os destroços são mais perceptíveis quando ele afeta o nosso lar. É bom lembrarmos que o tempo gasto no pecado é desperdiçado para sempre. O remorso pelo erro nos escraviza com a vergonha do passado, mas o mandamento do arrependimento nos dá a esperança de olharmos para um novo começo. Mas, o tempo perdido não volta atrás.

O meu pecado coloca um fardo imenso sobre os membros da minha família. A impureza moral dentro de casa torna o lar um ambiente pesado e desprazeiroso. No devido tempo, o meu pecado produz tristeza em meu coração, porque o meu pecado sempre nos torna menor do que poderíamos ser. Como é angustiante ver a família desmoronando.

Todos ao meu derredor, incluindo a minha família, sofrem conseqüências por causa do pecado. O pecado entristece os santos de Deus. Ele é altamente ilusório e enganador, e faz com que acreditemos que ganhamos, quando na realidade, nos torna verdadeiros perdedores. Ele pode impedir que nos qualifiquemos para a nossa liderança espiritual, enquanto maridos e pais, porque os supostos benefícios do pecado nunca superam as conseqüências da desobediência. Mas, mesmo o arrependimento do pecado que é um processo tão doloroso, deve inevitavelmente ser buscado, porque o pecado é um prazer momentâneo em troca de perdas por toda a eternidade.

O meu pecado pode influenciar outros a pecar. Daí, algumas famílias que tem uma estrutura e cultura pecaminosa comunicada por várias gerações. Não podendo esquecer que este pecado pode impedir que outros conheçam a Cristo, especialmente os nossos filhos. Cremos que os pecados dos pais por menosprezarem a cruz, sobre a qual Cristo morreu com o objetivo específico de removê-los, lhes rouba a boa reputação e destrói o bom testemunho, e aqueles que são mais sinceros serão prejudicados por causa do seu escândalo. Não se iluda dentro da nossa família as nossas máscaras caem!

O pecado somente glorifica a Deus quando Ele o julga e o transforma numa coisa útil, nunca porque o pecado é digno em si mesmo. Apesar das nossas falhas e infidelidade com a Aliança com Deus, Ele em sua misericórdia, pode fazer com que "todas as coisas cooperem para o nosso bem", mas devemos esperar pela graça que nos sustenta e nos basta, e não pela misericórdia que somente se manifesta quando a nossa miséria nos causou imensurável dor. Prometemos a Deus que Ele seria o Senhor da nossa vida e do nosso lar.

Não seja hipócrita tentanto mostrar uma falsa perfeição para a sua família. Mas, demonstre como o pecado te entristece, e como você se arrepende com sinceridade, procurando ser, dentro do seu lar, um modelo de transformação que glorifica a Deus pelo seu amor incondicional.

Nenhum comentário: