19 julho 2008

Os Dez Mandamentos na Família - 3

O terceiro mandamento enfatiza que não podemos tratar com leviandade tudo o que se refere ao nosso Deus. Com o que é sério não se brinca. O Catecismo Maior de Westminster comentando as suas implicações declara que "exige que o nome de Deus, os Seus títulos, os atributos, as ordenanças, a Palavra, os sacramentos, as orações, os juramentos, os votos, as sortes, as Suas obras e tudo pelo qual Ele se dá a conhecer, sejam santa e reverentemente usados ao se pensar, meditar, falar e escrever; mediante uma santa profissão de fé e um viver digno, para a glória de Deus e o bem de nós mesmos e dos outros."[1] A nossa geração vive um período de confusão quanto a autoridade da palavra, bem como da própria percepção de se respeitar Àquele que é fonte de toda autoridade.

É algo muito perigoso brincar, fazer piadas e mencionar de forma irreverente e irresponsável o nome ou as obras de Deus. Às vezes, ouço crentes fazendo piadas em que ridicularizam a pessoa de Deus, ou mais especificamente o Senhor Jesus, fazem para entreter pecadores com o santo nome do Todo-Poderoso. Como é comum que pecadores corram inconseqüentemente, onde os anjos até mesmo temem pisar! Quando pais contam piadas desta espécie diante dos seus filhos, eles estão ensinando-os a serem blasfemadores. Dificilmente estas crianças, adolescentes, ou jovens se comportarão nos cultos, que é o ajuntamente solene do povo de Deus, com reverência necessária. Mas, aquilo que fazem nos cultos nada mais é do que reflexo do culto a Deus prestado no dia a dia. Assim, podemos imaginar com tristeza no coração como é o relacionamento diário, e qual a seriedade com que vivem o evangelho de Cristo.

Se ao falar do Santo e da sua santidade manifesta na sua revelação, as pessoas o fazem de forma tão descomprometida, então, é possível, sem peso de consciência, que façam votos e juramentos sem calcular as conseqüências apelando-se para o nome de Deus. Neste caso a Escritura diz que devemos ser conhecidos pela nossa seriedade e firmeza de convicção e palavra, que o nosso "sim" signifique "sim", e o nosso "não" realmente tenha o absoluto sentido de "não" (Mt 5:37). Não é pecado jurar ou fazer votos quando somos exigidos pelas autoridades instituídas por Deus, mas não podemos recorrer a eles de modo tão irresponsável, ou em situações em que são desnecessários. O nome de Deus somente deve ser invocado para ser testemunha do que dizemos ou fazemos, quando o nosso testemunho é insuficiente e a glória de Deus é ameaçada de escândalo (1 Ts 2:5 e 10).

Nota:
[1] Catecismo Maior de Westminster, perg/resp. 112.

6 comentários:

Normando disse...

Eu vejo essa a parte menor e menos perigosa de ofender ao terceiro mandamento. Usar o nome de Deus em vão implica em conseqüências que prejudicarão tanto quem usou quanto outras pessoas; é se dizer cristão, participar de um grupo que usa o nome de Cristo e, em Nome de Deus, deturpar a doutrina ou mesmo agir na vida cotidiana como bem entender. Na primeira, temos os vários grupos hereges como os espíritas ou seitas aproveitadoras e até os muçulmanos, já que dizem que o Deus deles é o mesmo dos judeus. Na segunda, temos as pessoas que, ou por maldade fraqueza, mentem, sonegam impostos, adulteram, corrompem pessoas, matam ou simplesmente compactuam com os que fazem essas coisas sem sentir remorso, ACHANDO que tudo bem (já que ninguém tá vendo, ou que "o pastor tá na minha mão").
Não nego, e até concordo com o artigo, mas gostaria de ver um artigo mais profundo sobre eses pontos de vista. Porque, dizer cristão e Embaixador do Reino de boca cheia e errar deliberadamente ofende a Deus e todos por quem Cristo morreu.

Ewerton B. Tokashiki disse...

oi Normando

Não entendi a sua primeira frase "menor e menos perigosa de ofender"? Não sei qual referêncial você está usando para dizer que é "menor e menos". Eu ficaria muito feliz, mas ainda não satisfeito por completo, se os que são verdadeiros servos de Cristo vivessem o compromisso estável com o Redentor, servindo comprometidos a sua Igreja.

A minha proposta com estes artigos são devocionais. Para "aprofundar" infelizmente teria que reduzir o meu público algo, e escrever textos maiores; e, esta não é minha intenção, pelo não nestes artigos por agora. Tenciono levar um maior número de pessoas, que seja possível, a refletir nas implicações e obediência dos 10 Mandamentos aplicados no âmbito familiar. Se eu conseguir isto, estarei satisfeito.

Caso queira se aprofundar sugiro que você leia:
1. Catecismo Maior de Westminster perg./resp. .
2. Hans U. Reifler, A Ética dos Dez Mandamentos (Edições Vida Nova).
3.Solano Portela, A Lei de Deus Hoje (Editora Os Puritanos).
4. Michael Horton, A Lei da Perfeita Liberdade (Ed. Cultura Cristã).
5. Brian H. Edwards, Los Diez Mandamientos para Hoy (Editorial Peregrino).
6. Lewis B. Smedes, Moralidad y Nada Más (Editorial Nueva Creación).

Grato pelo comentário, em Cristo,
Pr Ewerton B. Tokashiki

Clóvis disse...

Pr. Ewerton,

Não resisti e copyandpasteei o seguinte trecho:

"É algo muito perigoso brincar, fazer piadas e mencionar de forma irreverente e irresponsável o nome ou as obras de Deus. Às vezes, ouço crentes fazendo piadas em que ridicularizam a pessoa de Deus, ou mais especificamente o Senhor Jesus, fazem para entreter pecadores com o santo nome do Todo-Poderoso. Como é comum que pecadores corram inconseqüentemente, onde os anjos até mesmo temem pisar!" em meu blog . Dei o devido crédito.

Gilcimar Cabral disse...

Mais um artigo desafiador para o viver cristão.Deus continue lhe abençoando. E que possamos a cada dia , guardar a lei de Deus e só assim teremos familias e igejas fortes.
Abs, Gilcimar cabral

LUIZ ROBERTO MOURA disse...

Graça e paz.
Muitíssimo apropriado esse artigo. Eu, que convivo diariamente com pessoas que brincam incessantemente com o nome de Deus, que me entristeço e me canso com tamanha falta de reverência, achei um abrigo e uma força neste artigo, para me posicionar melhor diante destas situações.
Deus abençoe o seu projeto, Pastor Ewerton.

Neila Gláucia disse...

Olá! Gostei muito dos artigos "Os Dez Mandamentos na Família", mas só li até o 3 e não encontrei do 4 a 10. Esses artigos me poderiam ser enviados por email? Se os utilizar em algum momento, me comprometo a fazer a devida referência. Meu email é neilaglaucia@hotmail.com
Obrigada! Paz!