28 fevereiro 2007

Continue a orar

Nós oramos. Às vezes, em silêncio. Outras vezes, em voz alta. Oramos, por mais de 17 anos, pela saúde de nossa filha Melissa, por orientação, por sua salvação e muitas vezes por sua proteção. Assim como oramos por nossos outros filhos, pedimos que a mão de Deus estivesse sobre ela, cuidando dela.

Quando Melissa chegou aos seus anos de adolescência, oramos ainda mais para que Deus a guardasse do mal - que mantivesse seus olhos sobre ela e seus amigos quando começaram a dirigir. Nós oramos: "Deus, por favor, proteja Melissa".

Então, o que aconteceu? Será que Deus não entendeu o quanto machucaria tantas pessoas, perder a esta linda jovem desta maneira, com tanto potencial para servir-lo e servir a outros? Será que, naquela noite cálida de primavera, Deus não viu o outro carro aproximar-se?

Nós oramos. Mas Melissa morreu.

E agora? Vamos parar de orar? Vamos desistir de Deus? Vamos tentar seguir sozinhos?

Absolutamente, não! A oração é ainda mais vital para nós agora. Deus - nosso inexplicável e soberano Senhor - ainda tem o controle. Seus mandamentos para orar ainda são válidos. Seu desejo de ouvir-nos ainda persiste. A fé não exige o que queremos; ela confia na bondade de Deus, apesar das tragédias da vida.

Nós sofremos. Oramos. E continuamos a orar.

Deus pode negar nossos pedidos, mas nunca vai decepcionar nossa confiança.

- J. David Branon

Extraído do devocionário Nosso Andar Diário 27 de Fevereiro de 2007.

Nenhum comentário: