09 agosto 2006

Decisões em família

Ser chefe do lar não é uma tarefa fácil! Às vezes temos que tomar decisões que não são simples. Decisões que, sinceramente, apertam o coração. Pessoalmente, sempre temo que uma de minhas decisões prejudique a minha família. Decisões não são feitas olhando os movimentos do coração. Embora Deus pode dirigir os nossos sentimentos, e produzir medo, alegria, tristeza, ou segurança para conduzir-nos na Sua vontade, não devemos apoiar nas emoções como se elas fossem a regra final para sentenciarmos o que vamos, ou não fazer. As importantes decisões da vida não podem ser resolvidas tão superficialmente.


Quando buscamos andar dentro da vontade de Deus, não significa que estaremos livres do sofrimento e das dificuldades conseqüentes as nossas decisões, mas temos a fiel segurança da Sua divina providência conosco. Sempre que recorremos ao discernimento dado pelo Espírito Santo para que não nos desviemos da Sua santa vontade é o primeiro sinal de temor e sabedoria. Mas, Deus não nos dá o discernimento como se fosse uma nova revelação fresquinha descida lá do céu! Ele nos dá a sabedoria para que a usemos com responsabilidade diante daquilo que teremos que decidir.

Observe os seguintes princípios que teremos que analisar antes de decidir acerca de qualquer assunto:

1. Nenhuma decisão pode contrariar a santidade de Deus. Todo claro ensino das Escrituras deve ser a nossa única regra de fé e prática. Se qualquer decisão a ser tomada envolve a quebra de qualquer mandamento, preceito ou princípio de santidade, então, com toda certeza ela não é da vontade do Senhor, pois Ele não pode negar a si mesmo, e não pode aceitar ninguém na Sua presença, que não ande na Sua vontade.

2. Sempre olhe como Deus está movendo os acontecimentos ao seu redor. A porta que o nosso Senhor abre ninguém fecha, e a que Ele fecha, ninguém consegue abrir. Sabemos que "Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito" (Rm 8:28, NVI). Este "agir de Deus" envolve a direção, o governo, a concorrência, o sustento e a preservação de todos os eventos, de modo que, tudo têm as digitais de Deus, e ao mesmo tempo cooperam entre si para indicar o divino propósito para a nossa vida. Deus cuida de todos os detalhes em tudo o que faz, desde os assombrosos eventos até o despercebido movimento dos átomos, Ele dirige, controla e determina com infinita sabedoria, poder e misericórdia conosco! Assim, quando buscamos saber o seu santo querer devemos atentamente olhar como as coisas estão se movendo, sem nunca esquecermos que o Senhor está em, com e através de todas as coisas.

3. Converse em família sobre o que todos os membros pensam da situação. A família é um corpo que vive, sofre, anseia, perde ou vence em conjunto, e conseqüentemente deve pensar, orar, planejar e buscar a direção de Deus juntos. Os planos de Deus não devem contrariar a solidificação do lar. Deus não trabalha contra a família, nem se agrada em vê-la destruída; por isso mesmo, é nesses momentos de expectativa que a família deve orar junta. O culto doméstico prova o seu valor quando o praticamos como sendo o momento em que lembramos que o nosso lar é um altar consagrado ao Senhor.

4. Analise como os dons e talentos poderão ser úteis no plano de Deus. Talvez, você queira realizar uma obra que está além das suas capacidades. É claro, sabemos que é Deus quem capacita, mas, Ele capacita dinamizando os dons que nos deu. O chamado [alguns preferem o termo vocação] de Deus somente é dado após os dons, porque, primeiro Deus prepara e depois dá a finalidade. O propósito de Deus para a nossa vida fica menos difícil de descobrir quando olhamos as nossas habilidades inatas e espirituais.

5. Busque conselheiros que temem, amam e andam com Deus. Primeiro ouça os seus pais; depois o seu pastor e os demais líderes que o Senhor colocou sobre a sua vida. Converse com irmãos que têm uma vida consagrada de oração e que se alimentam regularmente com a Palavra de Deus, eles são pessoas que estão em intimidade com o nosso amoroso Pai, muito provavelmente os seus pensamentos estão em sintonia com os pensamentos do Senhor, e poderão compartilhar conselhos prudentes que poderão ajudá-lo muito.

Aqueles que desejam meditar mais diligentemente neste assunto indico dois excelentes livros:
1. Sinclair Ferguson, Descobrindo a vontade de Deus (Editora PES);
2. B. Waltke & J. MacGregor, Conhecendo a vondade de Deus (Ed. Cultura Cristã).

Boa leitura!

Que o nosso soberano Deus lhe manifeste com clareza e convicção a Sua boa, agradável e santa vontade. Amém.

Nenhum comentário: