13 dezembro 2007

Por que somos presbiterianos? - 9

Somente através da obra de Cristo poderemos ser salvos. Não temos nenhum outro mediador pelo qual seja possível acontecer uma reconciliação com Deus, a não ser Jesus Cristo, a segunda pessoa da Trindade (1 Tm 2:5). Ele é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (Jo 1:29). Cremos que a Sua morte expiatória na cruz satisfaz a justiça de Deus e, elimina completamente a culpa de todos aqueles que nEle crêem (Rm 3:24-25), redimindo-os dos seus pecados (Ef 1:7); e, que a Sua humilhação durante o Seu ministério foi perfeitamente justa, santa e obediente à lei de Deus. A Sua obra Lhe confere autoridade para declarar justo todos quantos o Pai Lhe deu (Jo 6:37,39,65). Toda a obra expiatória de Cristo é suficiente para a nossa salvação (Rm 8:1).

O nosso Senhor Jesus se fez um de nós para ser o nosso substituto. Ele é o nosso único representante diante de Deus. A Aliança da Graça estipulava que o Filho viesse ao mundo para cumprir a vontade do Pai, ou seja, que viesse morrer pelos Seus escolhidos (Jo 4:34; 6:38-40; 10:10). A nossa culpa e merecida condenação caiu sobre Ele (Hb 2:10). O Filho de Deus não desceu ao lugar chamado inferno, mas os sofrimentos do inferno se fizeram presentes em Sua alma. O Pai retirou a Sua presença consoladora e derramou sobre Jesus a Sua ira divina punindo o nosso pecado nEle. As nossas iniqüidades estavam sobre o Filho, e a justa ira de Deus veio sobre o nosso pecado na cruz (Hb 2:10). Jesus tornou-se amaldiçoado em nosso lugar sobre o madeiro (2 Co 5:21).

A Confissão de Fé de Westminster declara que "aprouve a Deus em seu eterno propósito, escolher e ordenar o Senhor Jesus, seu Filho Unigênito, para ser o Mediador entre Deus e o homem, o Profeta, Sacerdote e Rei, o Cabeça e Salvador de sua Igreja, o Herdeiro de todas as coisas e o Juiz do Mundo; e deu-lhe desde toda a eternidade um povo para ser sua semente e para, no tempo devido, ser por ele remido, chamado, justificado, santificado e glorificado" (CFW VIII.1).

A justificação de Cristo sobre nós exige que tenhamos uma vida coerente com a Sua justiça. O apóstolo Pedro declara que “porquanto para isto mesmo fostes chamados, pois que também Cristo sofreu em vosso lugar, deixando-vos exemplo para seguirdes os seus passos, o qual não cometeu pecado, nem dolo algum se achou em sua boca; pois ele, quando ultrajado, não revidava com ultraje; quando maltratado, não fazia ameaças, mas entregava-se àquele que julga retamente, carregando ele mesmo em seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados, para que nós, mortos para os pecados, vivamos para a justiça; por suas chagas, fostes sarados” (1 Pe 2:21-24).

Este Jesus é pedra rejeitada por vós, os construtores, a qual se tornou a pedra angular. E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (At 4:11-12).

4 comentários:

Célio disse...

Graça e a Paz de Nosso Senhor Jesus
Encontrei esse blog há pouco tempo, gostei muito dessa materia sobre sermos presbiterianos.Em minha igreja nesse ano que passou pude verificar que nós presbiterianos estamos aos poucos perdendo nossa identidade reformada, com tantos ventos que estão soprando nossos jovens que não conhecem em suma a doutrina presbiteriana, toda a luta que ocorreu para que ela pudesse ser formulada e tantas pessoas morreram pelas verdades nela contida,se deixam levar pelos ideais neopentecostais e outros e perdem o conhecimento biblico e passam a buscar experiencias ""espirituais"",um sobrenatural, em extases misticos, risos, e convulsões, que beiram ao estado epiletico. A cruz há muito tem ficado para trás. Devemos trazer a memoria dos nossos pequenos e também a nós mesmos o verdadeiro conecimento biblico, e lembrar por que somos Presbiterianos. Que a Paz do Nosso Senhor Jesus esteja convosco, e continue a lhe encher de sabedoria.

Ewerton B. Tokashiki disse...

Amado irmão Célio

Compartilho de sua tristeza ao reconhecer que não poucas Igrejas Presbiterianas neste nosso país têm se afastado do nosso tronco original em troca de palha e vento!

Entretanto, há pastores e membros zelosos e fiéis aos princípios e doutrinas da Reforma. Aqui em nossa igreja [ www.ipportovelho.com ] temos ensinado sistematicamente em nossas reuniões a teologia calvinista. Por exemplo, o diác. Daniel Nogueira na Escola Dominical leciona numa classe de estudo para pré-adolescentes usando a Confissão e os Catecismos de Westminster.

Você pode fazer o mesmo, ou organizar um grupo de estudo semanal em sua casa usando os mesmos livros, ou ainda outro livro que aborde temas da Reforma. Se não começarmos cedo provavelmente não teremos muito êxito depois.

Fica a sugestão. Em Cristo,
Pr Ewerton

Nuno Pinheiro disse...

Caro Rev. Tokashiki,

Já o disse antes e repito: o seu blog é um oásis de descanso para os cansados de tontices que os ventos do quotidiano arrastam de um lado para o outro!

Tomei a liberdade de colcar um condensado de algumas passagens deste artigo em meu blog que peço que veja e se caso for me dê o reparo desejado.
http://soberanagraca.blogspot.com/2007/12/porque-somos-presbiterianos-rev.html

Obrigado pela sua firmeza e coragem de manter-se firme e de exemplo aos que quiserem guardar as tradições de nossos pais.

Que Deus o guarde e abençoe ricamente por Sua imensa graça!
Nuno

clodoaldobrunet.blogspot.com disse...

Nós presbiterianos precisamos manter a diferença. Do contrário vira tudo a mesma coisa.